QUESTERA Aconselha Clientes Sobre Suas Estratégias em Internet das Coisas

QUESTERA Aconselha Clientes Sobre Suas Estratégias em Internet das Coisas

A próxima grande explosão prevista para a Internet é a chamada “Internet das Coisas”. Estima-se que por volta de 2020, cerca de 50 bilhões de máquinas e dispositivos de diversas naturezas estarão conectados, fazendo com que a rede sofra o que talvez seja de fato sua maior revolução. No início, era a comunicação pessoa-pessoa, o e-mail. Depois veio a comunicação pessoa-processos, caracterizada pela revolução do acesso multimídia e hipermídia a informações e conteúdos estruturados em websites. Hoje, vivemos a difusão acelerada e o aumento de poderio e capacitação das redes de acesso e do próprio backbone, viabilizando novas e importantes soluções e aplicações de processamento e comunicação. As soluções “na nuvem” tornaram-se uma realidade em franca expansão. Finalmente, anuncia-se a revolução da Internet das Coisas. As primeiras aplicações começam a surgir, em indústrias como as de manufatura de veículos, prestadoras de serviços públicos, dentre outras. Por exemplo, alguns carros já possuem a capacidade de se automonitorar e alertar para necessidades de manutenção, antes mesmo que o defeito apareça para o motorista. Empresas de energia elétrica instalam medidores inteligentes em clientes e passam a detetar e recuperar mais rapidamente problemas em suas redes. Mas isso é apenas um tímido começo. A instalação de sensores e atuadores em rede irá permitir a prevenção e o alerta mais ágil de desastres naturais, permitindo que mais vidas sejam salvas e que a recuperação seja mais rápida.

A QUESTERA tem orientado clientes sobre suas possíveis alternativas de aplicação e posicionamento estratégico quanto à Internet das Coisas. Uma parte importante dessa análise tem a ver com a evolução das normas técnicas emergentes nesse campo. Acompanhamos o desenvolvimento, no IEEE, do standard 1888, iniciado na China, por organizações e universidades empenhadas em um programa de redução de consumo de energia. O standard 1888, publicado em março de 2011, padroniza protocolo universal de controle e otimização de consumo em redes de energia para grandes prédios, em suas aplicações de rede inteligente para operação de sistemas variados, supervisão, manutenção, etc.

Consulte a QUESTERA sobre a sua estratégia em Internet das Coisas!

No Comments

Post A Comment

dois × quatro =